Compra segura

Compra 100% segura

Entrega em até 24h

Entrega em até 24h* para grande SP

Parcele sua compra

Parcele suas compras em até 10x sem juros!

Além das festas de fim de ano que se aproximam, 2022 nos traz também um dos eventos mais esperados do ano: a Copa do Mundo.

Uma preocupação constante é o comportamento que os pets apresentam em relação aos fogos de artifício. Muitos dos animais têm verdadeiro pavor do barulho e fazem de tudo para tentar amenizar o pânico que os fogos causam.

Isso se dá pois o cão na sua fase de socialização usualmente não é apresentado a sons como estes que são, em certa medida, raros. Outro fator importante é o espectro de audição dos cães que é 3 vezes maior que a nosso, e capta o som com 4 vezes mais intensidade.

Um exemplo: um som que nós humanos captamos a 50 metros da origem, um cão saudável irá captar a 200m, com 3 vezes mais riqueza de detalhes, especialmente ultrassons. O cão consegue ouvir uma lâmpada de Led no poste, por exemplo, ou o relógio de quartzo do microondas naturalmente.

Por estes e outros motivos, perante um estímulo tão forte quanto fogos de artifício, os comportamentos variam desde cavar buracos para se esconder, fugas desnorteadas e até convulsões. A tendência é que, quando não dessensibilizados, que eles procurem por lugares que os acolham e se sintam seguros. Por estes motivos, é necessário todo cuidado e proteção para que se sintam acolhidos.

Para ajudar a amenizar o problema, fizemos este breve manual para te ajudar a dessensibilizar o seu companheiro com o barulho dos fogos, de maneira que tenhamos um processo para associar o barulho com algo positivo. Lembrando que, quanto mais cedo este protocolo for implementado, melhor. Mas serve sem dúvida alguma para qualquer idade!

Passo 1 –  Preparando o ambiente

  • Se planeje para o treinamento em um momento com poucas chances de fogos de artifício ou risco de tempestade. É importante manter o ambiente controlado e sem grandes distrações para o momento do treino.
  • Caso tenha mais de um cão em casa, comece a treinar isoladamente com cada indivíduo, garantindo que os outros estejam longe e protegidos da fonte de som;
  • Prepare uma caixa de som que tenha alguma potência. A TV pode ser uma opção, mas, quanto maior a potência, melhor pois permitirá  um treino com vários níveis de dificuldade e maior controle de volume;
  • Como as dicas valem tanto para cães com medo de fogos de artifício quanto cães com medo de tempestades, abaixo temos 2 vídeos com gravação em alta definição para usar em qualquer uma das situações;

Fogos de artifício

Tempestade

2 – Primeiros passos

Ambiente preparado, tudo certo para começar! Importante ter em mente que frequência é mais eficaz que a intensidade. Desta forma, treinos mais curtos e com maior frequência trarão resultados melhores;

  • Inicialmente, coloque o som para tocar baixinho e a cada estouro pause e ofereça uma recompensa de alto valor, um petisco saboroso, um pedaço de frango ou queijo fazem muito sucesso! Ofereça tamanhos pequenos para que a associação seja imediata. O objetivo aqui é garantir que o som seja associado a algo extremamente prazeroso;
  • Observe se seu cão está confortável com o volume e repita por algumas vezes o processo, sem alterar o volume. Recapitulando: Play – Som de fogos – Pause – Recompensa imediatamente após a pausa;
  • Faça 10 a 15 repetições, não mais que isso e finalize o treino. Quanto mais vezes conseguir repetir o procedimento, melhor. Pode ser no mesmo dia, com intervalo mínimo de 2h entre os treinos ou entre um dia e outro. A frequência é a chave do sucesso!

Passo 3 – Aumente a dificuldade

Com a habituação do cão ao processo, podemos iniciar agora o aumento da dificuldade para que, no momento que o evento ocorrer na realidade, o cão esteja preparado;

  • Seguindo o mesmo processo do passo 2, vamos aumentar o volume pouco a pouco durante as sessões. É muito importante que o cão esteja confortável com o volume e receba a recompensa de forma ativa e sem receios. Caso perceba algum desconforto ou desconfiança, volte ao volume que ele já está habituado e continue os treinos. Isso não é nenhum problema e nem retrocesso, é parte natural do processo;
  • Aumente o volume de forma gradativa a cada 3 sessões;
  • O volume final deve ser o mais parecido com a realidade do cão possível. Lembrando que é muito importante que a recompensa seja atrativa e que o cão esteja confiante e confortável no processo, não pule etapas, isso só atrasará a evolução;

Prontinho! Com a implementação da rotina de treino e ambientação correta, o barulho deixará de ser um vilão e passará a ser um gatilho de um delicioso petisco e de um momento de interação com você! Nada mais recompensador, não acha?

Quando os fogos ocorrerem de verdade, aproveite para colocar tudo em prática! Esteja com petiscos sempre a mão para oferecer em todas as oportunidades de fogos reais. Cuide bem do seu amigo nessas horas, ele precisa de você e a dessensibilização vai ajudar vocês a terem mais paz nestas horas de tanto estresse. 

As dicas acima são, de forma geral, bastante eficazes para este tratamento. Mas caso esteja encontrando dificuldades, procure um profissional.

E é sempre bom lembrar: não solte fogos de artifício! Nossos peludos e toda fauna de pássaros e outros animais que coabitam os espaços conosco agradecem!

×